Adilson Araújo: Sem o povo não há saída para a superação da crise

Geral - CTB Geral - Postada 19 de Dezembro de 2017
Presidente nacional da CTB, o bancário Adilson Araújo está convicto de que somente a resistência popular, a luta nas ruas, será capaz de barrar mais uma investida do projeto neoliberal contra o povo brasileiro, que é a reforma da Previdência.
 
Em entrevista exclusiva a O Bancário, ele propõe a unidade das forças progressistas em defesa da democracia social e do Estado de direito e deixa evidente que o enfrentamento ao neoliberalismo vai muito além da luta no plano institucional.
 
O BANCÁRIO - Como impedir que a reforma da Previdência seja votada antes da eleição presidencial do próximo ano?
 
ADILSON ARAÚJO - Luta intensa nas ruas e no Congresso Nacional, pressionando as bases dos parlamentares aliados ao governo e denunciando ao conjunto da sociedade o que representa a proposta de “reforma” da Previdência Social, que na verdade acaba com a aposentadoria. Enfrentamos também uma campanha brutal do governo, com forte apoio da mídia hegemônica, para aprovar o pacote de maldades que, sordidamente, Temer um dia chamou de “ponte para o futuro”.
 
O BANCÁRIO - É possível barrar a reforma da Previdência só pela via institucional?
 
ADILSON ARAÚJO - Barrar uma proposta como essa exige mobilização, resistência e luta em diferentes frentes. Somente com o empenho dos diversos setores organizados da sociedade junto com o movimento sindical conseguiremos alavancar uma onda de resistência que pode contrabalancear o cenário de disputa no interior do Congresso Nacional. A luta conjugada entre as frentes de massa e institucional são estratégicas para a disputa em curso.
 
O BANCÁRIO - Por que um governo denunciado por corrupção, com 95% de rejeição, e um Parlamento investigado, têm conseguido impor uma agenda tão impopular?
 
ADILSON ARAÚJO - Estamos diante do Congresso mais conservador desde 1964, um Congresso que tem políticos comprometidos com o povo e com seus interesses particulares. Por trás do chamado movimento “Não Vai Ter Copa” e das chamadas “Jornadas de Junho” estavam as sementes da complexa conjuntura que se instalou no país e elegeu, em 2014, o Congresso Nacional mais venal de nossa história. Depois disso, estavam dadas as bases necessárias para empurrar o país para a crise política que desaguou no golpe parlamentar de maio de 2016.
 
O BANCÁRIO - As centrais sindicais têm plano para reverter a agenda neoliberal na pró- xima legislatura?
 
ADILSON ARAÚJO - O ano de 2018 será tão intenso quanto foi 2014. A diferença é que se lá lutamos por avanços nas mudanças, aqui a luta partirá da defensiva. Com a defesa de direitos consagrados e pela edificação de um projeto que recoloque o Brasil nos rumos do desenvolvimento com geração de emprego, valorização do trabalho e distribuição da renda. É bom acrescentar que o movimento sindical não luta apenas pelos interesses corporativos da categoria, mas abraça uma causa maior, estreitamente vinculada à melhoria de vida dos trabalhadores e trabalhadoras, o desenvolvimento nacional, a valorização do trabalho, a afirmação da soberania nacional e da democracia. Um Brasil próspero, democrático, soberano e voltado para o bem estar do povo depende de sindicatos fortes, em sintonia com os interesses nacionais.
 
Fonte: Jornal O Bancário, uma publicação do Sindicato dos Bancários da Bahia.

  whatsapp  

Últimas notícias

Temer quer usar Google para enganar trabalhador sobre reforma da Previdência

Geral - CTB Geral Postada 19 de Janeiro de 2018

Parlamentares de oposição ainda tentarão alterar parte da nova lei trabalhista

Geral - CTB Geral Postada 18 de Janeiro de 2018

Inscrições abertas para atividades do Fórum Social Mundial 2018

Geral - CTB Geral Postada 18 de Janeiro de 2018

Ex-presidentes da Caixa denunciam desmonte de Temer contra o banco

Geral - CTB Geral Postada 18 de Janeiro de 2018

TRF-5 mantém suspensa privatização da Eletrobras

Geral - CTB Geral Postada 17 de Janeiro de 2018
Ver todas as Notícias

Enquete

Qual a pior proposta do Temer?


Resultado

Charges

Temer acelera desmonte dos bancos públicos Postada 11 de Outubro de 2017 Charge do Sindicato dos Bancrios de So Paulo Ver todas as charges

Facebook



Rua Democrata,18, 1º andar, Dois de Julho - Salvador -Bahia. CEP. 40060-107.
© Copyright CtbBahia - Todos os direitos reservados - imprensa@ctbbahia.org.br
Tel (71) 3012-5390