Cuba e Irã esperam, com Biden, novos rumos na política externa dos EUA

Cuba e Irã esperam, com Biden, novos rumos na política externa dos EUA

Geral CTB Geral 09/11/2020 há 2 semanas

O presidente cubano, Miguel Díaz-Canel, disse, neste domingo (8), que a vitória de Joe Biden nas eleições presidenciais dos Estados Unidos que seu governo entende que “o povo dos Estados Unidos escolheu uma nova direção”. “Acreditamos na possibilidade de relações bilaterais construtivas respeitando as diferenças uns dos outros”, afirmou no Twitter.

Durante a campanha, Biden garantiu que reverteria prontamente as políticas sobre Cuba promulgadas por Donald Trump que “infligiram danos ao povo cubano e nada fizeram para o avanço da democracia e dos direitos humanos”. Para os cubanos, Biden é um estranho, um desconhecido, mas têm certeza de que qualquer presidente dos Estados Unidos será melhor do que Trump.

Agência France-Presse foi ouvir os cubanos. “Não devo confiar em nenhum presidente americano, mas, do jeito que as coisas estão, prefiro o outro e não Trump”, disse Pablo Zaldívar, motorista de 57 anos. A reeleição Trump teria sido “um desastre ou uma ameaça de Armagedom” para Cuba, diz o cientista político Jorge Gómez Barata.

Em quatro anos, Trump aplicou 130 medidas para reforçar o bloqueio, muitas das quais afetam diretamente a população e o setor privado emergente, como a restrição de remessas familiares, a suspensão de viagens de cruzeiro e a maioria dos voos diretos, além do fechamento do consulado em Havana. “Não quero Trump nem em pintura, como dizemos os cubanos. Que ele (Biden) vença para que possamos melhorar”, disse Aidelvis Blanco, funcionário do restaurante “El Mandarín”.

Segundo Oniel Díaz, diretor da consultoria privada Auge, a vitória de Biden é “uma notícia extremamente bem-vinda para a comunidade empresarial cubana. O setor privado foi um dos mais afetados pela política do governo Trump”, disse. Apesar de pouco conhecido na ilha, Biden tem um grande ponto a seu favor: foi vice de Barack Obama, fomentou a colaboração em diversos setores após o restabelecimento das relações em 2015 e contribuiu para a unificação familiar dos cubanos em ambos os lados do estreito da Flórida.

O presidente iraniano, Hassan Rohani, também afirmou que a vitória de Biden é “uma oportunidade de corrigir os erros” dos Estados Unidos em relação ao Irã. Em 2018, Trump abandonou o acordo nuclear com o Irã assinado por Obama em 2015 e adotou a política chamada de “pressão máxima” contra o país. “O futuro governo dos Estados Unidos agora tem a oportunidade de corrigir erros do passado e retornar ao caminho de aderir aos compromissos internacionais e respeitar o direito internacional”, disse Rohani, em um comunicado.

“A política prejudicial e errônea do governo (Trump) nos últimos três anos não foi apenas condenada pelos povos do mundo, mas também combatida por sua própria população, especialmente nas eleições”, disse Rohani, que continuou: “O povo iraniano, com sua resistência heroica à guerra econômica imposta (por Washington), mostrou que a política de pressão máxima dos Estados Unidos está fadada ao fracasso”.

 

Via: Portal Vermelho