Congresso da CTB refletirá sobre momento político do país, diz Pascoal Carneiro

Geral - CTB Geral - Postada 10 de Agosto de 2017

Sindicalistas de todo o Brasil e do mundo estarão reunidos em Salvador, entre os dias 24 e 26 de agosto, para participar do 4º Congresso Nacional da CTB.

O Congresso, que marcará uma década de lutas da Central, deve reunir 1,2 mil delegados e delegadas de diversas categorias. Para Pascoal Carneiro, presidente da CTB Bahia, a escolha da cidade sede do evento é o reconhecimento do esforço da contribuição que a Bahia deu à CTB desde a sua fundação.

A delegação baiana contará com 350 delegados e delegadas. "Vêm dos grandes e pequenos municípios. São professores, operários, trabalhadores do comércio e do serviço público das três esferas, ou seja, é uma grande aliança do campo e da cidade", diz Carneiro.

No entanto, apesar do caráter comemorativo da data, Carneiro reconhece que o cenário é nebuloso e a discussão a ser travada será fundamental para municiar os dirigentes para as batalhas vindouras.

Confira a entrevista concedida ao Portal CTB:

O Congresso acontece em um cenário de ataques sem precedentes aos direitos trabalhistas. Nesse sentido, qual o papel das discussões que serão travadas durante o evento?

Os ataques aos direitos trabalhistas no Brasil assumem proporções inimagináveis. A reforma trabalhista aprovada recentemente forçará o trabalhador a aceitar empregos inferiores ao seu último trabalho ou com salários menores. Vai ampliar a jornada de trabalho (aumento da mais-valia absoluta) e diminuir o poder de sindicatos, o que acarreta maiores dificuldades para as lutas dos trabalhadores.

Vivemos em um sistema econômico que muito fala do trabalho, mas que pouco o valoriza. Retirar direitos trabalhistas não é uma medida econômica para ajudar o país a sair da crise, é apenas uma forma de explorar os que nunca pararam de trabalhar por esse país. A história está farta de épocas onde o trabalhador foi explorado em benefício de poucos. A Revolução Industrial na Inglaterra talvez seja o melhor exemplo.

Segundo o escritor norte-americano Leo Huberman (autor do clássico A história da riqueza do homem) na Inglaterra do século XIX era muito comum crianças de oito anos trabalharem mais de oito horas nas fábricas, mulheres entrarem em serviço de parto e voltarem ao trabalho poucos dias depois e homens trabalharem até dezesseis horas por dia.

Não havia indenização por acidentes e nem impedimentos a demissões. Neste mundo das livres iniciativas, os sindicatos eram considerados ilegais ou coagidos e preponderava o direito dos empresários de fazerem operários trabalharem até morrer ou morrerem de tanto trabalhar.

É neste cenário que vai acontecer o congresso nacional da CTB, em Salvador, e neste congresso vamos debater as formas de lutas para enfrentar a sanha capitalista. A nossa militância carrega em suas organizações sindicais a coragem e o destemor da luta anticapitalista.

É sabido que a delegação baiana é a maior. Fale um pouco de sua composição?

A delegação da Bahia é composta por 350 delegados e delegadas, com mais de 30% de mulheres. Conta com um grande número de delegados e delegadas jovens, que levará ao congresso a força da juventude baiana.

Além de uma expressiva delegação de trabalhadores e trabalhadoras rurais, coordenada pelo nossa Federação dos Trabalhadores em Agricultura (Fetag-BA), que levará ao congresso 60 delegados e delegadas.

Na verdade, a delegação da Bahia conta com delegados e delegadas dos grandes e pequenos municípios. São professores, operários, trabalhadores do comércio e do serviço público das três esferas, ou seja, é uma grande aliança do campo e da cidade.

O 4º Congresso Nacional marca uma década de lutas da CTB. O que representa a realização da atividade na Bahia?

Esse congresso é o retrato e o fruto de um trabalho sério e consequente de toda nossa militância, e o reconhecimento de uma direção atuante e coerente. É a defesa do sindicalismo classista: a CTB somos nós, nossa força nossa voz. Isso significa o controle que o trabalhador deve ter sobre o que é o sindicato. É fazer uma reflexão sobre o momento político em todas as discussões. Afinal, sem os trabalhadores organizados e preparados, nenhuma luta é vitoriosa.

O 4º Congresso Nacional da CTB, terá o dever de discutir e combater uma das práticas mais comuns no sindicalismo: a burocratização, prática que afasta o dirigente sindical da classe e da base. O Congresso deve aprovar resoluções específicas sobre a desburocratização. E a realização do 4º Congresso na Bahia é o reconhecimento do esforço da contribuição que a Bahia deu à CTB desde a sua fundação.

 

Fonte: Cinthia Ribas - Portal CTB

 

 


  whatsapp  

Últimas notícias

Conheça as principais modificações trazidas pela reforma trabalhista

Geral - CTB Geral Postada 20 de Outubro de 2017

Reforma trabalhista deve enfrentar resistência de magistrados do Trabalho

Geral - CTB Geral Postada 20 de Outubro de 2017

CTB-Irecê realiza 3º Seminário de Formação da Classe Trabalhadora

Geral - CTB Geral Postada 19 de Outubro de 2017

Setre realiza I Fórum Baiano da Diversidade no Mundo do Trabalho

Geral - CTB Geral Postada 19 de Outubro de 2017

OIT considera portaria sobre trabalho escravo "retrocesso lamentável"

Geral - CTB Geral Postada 19 de Outubro de 2017
Ver todas as Notícias

Enquete

Qual a pior proposta do Temer?


Resultado

Charges

Temer acelera desmonte dos bancos públicos Postada 11 de Outubro de 2017 Charge do Sindicato dos Bancrios de So Paulo Ver todas as charges

Facebook



Rua Democrata,18, 1º andar, Dois de Julho - Salvador -Bahia. CEP. 40060-107.
© Copyright CtbBahia - Todos os direitos reservados - imprensa@ctbbahia.org.br
Tel (71) 3012-5390