III Congresso Estadual da CTB Bahia - Centro de Convenções, Salvador / Bahia

Declarações do presidente do TST afrontam a classe trabalhadora

Postada 07 de Novembro de 2017

A Central Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) considera as declarações do presidente do TST (Tribunal Superior Eleitoral), o ministro Ives Gandra, publicada nesta segunda-feira (6), no jornal Folha de São Paulo, uma afronta à trajetória de luta da classe trabalhadora pela conquista, ampliação dos direitos e proteção social.

O que o presidente do TST desdenha em sua entrevista uma cesta mínima de direitos fruto de décadas de luta. E seu discurso não tem outro objetivo senão colocar água no moinho daqueles que, em nome da modernidade, querem praticar o maior ataque do capital contra o trabalho, reforçando a agenda ultraliberal liderada por Michel Temer e impondo à classe trabalhadora o ônus da crise.

Ao afirmar em entrevista que “...nunca vou conseguir combater desemprego só aumentando direito...", Gandra sinaliza positivamente para a ampliação da precarização no mundo do trabalho, já que afirma que para gerar emprego, a classe trabalhadora pode ser submetida a uma realidade sem direitos como: férias, 13º salário, descanso semanal remunerado, redução da jornada, entre muitos outros.

De acordo com o estudo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), a redução da jornada de trabalho sem redução de salários, por exemplo, pode contribuir diretamente para a distribuição de renda no país, pois os trabalhadores poderiam se apropriar dos ganhos da produtividade e, assim, um círculo virtuoso na economia. 

O polêmico presidente do TST que já impediu, por decisão na Corte a divulgação da lista das empresas autuadas pela Justiça pelo crime de trabalho escravo, também defendeu publicamente a reforma trabalhista. Ao afirmar que é necessário "modernizar a legislação” porque sem isso “o investidor não investe no Brasil", Gandra assina sua defesa de que a nova legislação trabalhista foi elaborada para servir aos patrões, e não para equilibrar a relação de trabalho. Pelo contrário, sua defesa é pelo trabalho sem igualdade, equidade e o salário digno.

Declarações como essas revelam o tamanho do desafio que o país e a classe trabalhadora precisam enfrentar na atual etapa. Somente com unidade, resistência e luta enfrentaremos tamanha ofensiva e o movimento sindical deve assumir seu lugar na linha de frente dessa batalha.

O movimento sindical deve orientar a classe trabalho sobre o está em jogo, fortalecendo suas bases e denunciando os efeitos desta brutal ofensiva que mira direitos conquistados após duras lutas.

Ives Gandra erra não só por ferir a histórica luta da classe trabalhadora, mas também porque agride e defende a retirada de direitos de uma parcela importante da sociedade que luta por emprego, salário digno e uma vida sem miséria.

 

Adilson Araújo é presidente Nacional da CTB


    whatsapp  

Últimas Artigos

Reforma da Previdência interessa ao sistema financeiro

Augusto Vasconcelos

A nova narrativa do governo para aprovar a reforma da Previdência

Antônio Augusto de Queiroz

A reforma trabalhista precariza, mutila e mata

Adilson Araújo
Ver todas os artigos

Enquete

Qual a pior proposta do Temer?


Resultado

Charges

Temer acelera desmonte dos bancos públicos Postada 11 de Outubro de 2017 Charge do Sindicato dos Bancrios de So Paulo Ver todas as charges

Facebook



Rua Democrata,18, 1º andar, Dois de Julho - Salvador -Bahia. CEP. 40060-107.
© Copyright CtbBahia - Todos os direitos reservados - imprensa@ctbbahia.org.br
Tel (71) 3012-5390