III Congresso Estadual da CTB Bahia - Centro de Convenções, Salvador / Bahia

Revolta dos Alfaiates: os heróis de ontem para a luta de hoje

Postada 11 de Agosto de 2017

De todos os movimentos de revolta que eclodiram no Brasil colonial, a Revolta dos Alfaiates, em 12 de agosto de 1798, foi a mais abrangente em termos de participação das camadas populares e dos ideais de mudanças sociais propostos. Assim como os inconfidentes mineiros, os conjurados baianos defendiam a emancipação política do Brasil através do rompimento do pacto colonial. Mas foram além, ao propor a abolição da escravidão. Frases foram escritas em locais públicos de grande circulação, como, por exemplo: "Animai-vos povo bahiense, que está por chegar o tempo feliz da vossa liberdade, o tempo em que seremos todos irmãos, o tempo em que seremos todos iguais".

A Europa atravessava um momento de profundas transformações sociais e políticas geradas pela Revolução Francesa. O Haiti, colônia francesa situada nas Antilhas, foi palco de convulsões sociais devido às frequentes e violentas rebeliões e levantes de escravos negros. Em seu conjunto, as notícias desses acontecimentos tiveram ampla repercussão no Brasil e serviram para dar sustentação aos ideais de liberdade, igualdade e soberania popular propugnados pelos conjurados baianos.
A participação social foi intensa. Aderiram ao movimento, homens brancos, mulatos, negros livres e escravos e até membros da elite soteropolitana, tal como o médico Cipriano Barata, que foi um ativo propagandista do movimento, atuando principalmente entre os integrantes da sociedade secreta Cavaleiros da Luz.

Contudo, foi a presença de um contingente expressivo de alfaiates que fez com que a Conjuração baiana ficasse conhecida também como a "Revolta dos Alfaiates". Entre as principais lideranças do movimento destacam-se: O mestre de alfaiate João de Deus Nascimento, o aprendiz de alfaiate Manuel Faustino dos Santos Lira e os soldados Luís Gonzaga das Virgens e Lucas Dantas Amorim Torres.

Seiscentas e nove pessoas foram relacionadas à conjuração, das quais 49 foram enviadas a prisão, em maioria jovens alfaiates e soldados. Trinta e quatro sofreram severas punições, como exílio ou a morte, como por exemplo, os destacados líderes que são homenageados com bustos na Praça da Piedade de Salvador, onde foram enforcados no dia 8 de novembro de 1799.

Ainda hoje, os jovens negros são vitimados pela violência do Estado brasileiro. Conforme o Mapa da Violência no Brasil, são eles quem mais morrem vítimas do extermínio dos grupos paramilitares e da “guerra” às drogas, nas periferias dos grandes centros urbanos do país. Dos homicídios registrados em 2015, 92% das vítimas são do gênero masculino, 53% são jovens (15 a 29 anos) e, desses, 71% são negros.

Temos que nos rebelar e lutar contra as reformas desse governo ilegítimo, que quer retirar os poucos direitos conquistados. Temos que propor uma nova política antidrogas, que de fato ataque a causa do problema, como a proteção às nossas fronteiras, visto que as drogas e os armamentos não são produzidos nos centros urbanos, sendo então as comunidades carentes também vítimas da ausência do Estado.

Viva os heróis da Revolta dos alfaiates e em memória deles continuaremos na luta por igualdade de oportunidades!

 

Jerônimo da Silva Júnior é secretário de Combate ao Racismo da CTB-BA, diretor do Sindicato dos Bancários da Bahia e graduando de História.


    whatsapp  

Últimas Artigos

Temer quer garantir seu mandato em troca de trabalho escravo

Orlando Silva

A portaria de Temer e o chicote na mão do capital

Adilson Araújo

Novo Código do Trabalho exige “novo sindicalismo”

Marcos Verlaine
Ver todas os artigos

Enquete

Qual a pior proposta do Temer?


Resultado

Charges

Temer acelera desmonte dos bancos públicos Postada 11 de Outubro de 2017 Charge do Sindicato dos Bancrios de So Paulo Ver todas as charges

Facebook



Rua Democrata,18, 1º andar, Dois de Julho - Salvador -Bahia. CEP. 40060-107.
© Copyright CtbBahia - Todos os direitos reservados - imprensa@ctbbahia.org.br
Tel (71) 3012-5390