III Congresso Estadual da CTB Bahia - Centro de Convenções, Salvador / Bahia

A lata de lixo da história

Postada 19 de Abril de 2016

Por Marcelo Zero *

O dia 17 de abril de 2016 ficará registrado como um dos mais tristes da nossa História.

Ante a incredulidade do mundo, conduzida por um personagem que é a epítome do que há de pior na política nacional, a Câmara dos Deputados decidiu autorizar o processo de afastamento da presidenta honesta, contra a qual não há acusação jurídica que se sustente.

Deu-se o que o Secretário-Geral da OEA e a comunidade internacional estão chamando muito apropriadamente de “o mundo ao contrário”. Políticos ficha-suja, movidos por vingança política, deram o pontapé inicial no processo do golpe contra a presidenta ficha-limpa.

Na realidade, deram um pontapé na democracia brasileira e transformaram o Brasil numa vergonhosa republiqueta de bananas. Uma república de “fichas-sujas”.

Nessa ópera-bufa do golpe, os personagens são patéticos. As justificativas para o injustificável beiram o grotesco. Na votação, muitos dos golpistas falaram em Deus, família, etc., mas foram incapazes de apresentar um único argumento sólido para justificar seu crime contra a democracia. Durante muito tempo, as imagens do espetáculo ridículo percorrerão o mundo provocando risos de escárnio e de incredulidade.

Nessa ópera-bufa, o enredo parece puro nonsense. Parece. Porém, por trás desse espetáculo que aparenta ter saído da imaginação surrealista de um Ionesco bêbado, há maquiavélica racionalidade.

O golpe tem intenção, tem propósito. Obviamente, tal propósito não tem nada a ver com combate à corrupção. Ou melhor: tem relação, sim, com o combate à corrupção, mas no sentido negativo. O golpe está se dando, entre outras razões, para tentar assegurar impunidade a seus artífices. Segundo a imprensa, houve negociações em torno dessa promessa desavergonhada. Uma promessa que incluiria a transformação da Lava Jato numa operação Banho Maria.

Mas, para os golpistas, isso é apenas um providencial bônus. O essencial é outra coisa. É preciso levar em consideração que o golpe está sendo promovido freneticamente e monetariamente por uma parte considerável das grandes empresas, inclusive internacionais. Esse pessoal, a chamada “turma da bufunfa”, não tem interesse real nenhum em combate à corrupção, até mesmo porque eles são os corruptores históricos do nosso sistema político.

Seu interesse é outro.

Seu interesse no golpe tange à revisão ou extinção dos legados sociais de Lula, Ulysses Guimarães e Getúlio Vargas. Na visão deles, esses legados precisam ser revistos para que o Brasil consiga “retomar o crescimento”. Na visão deles, a “cidadania social” criada pela Constituição de 88 não cabe mais no orçamento. Daí a necessidade de rever os “gastos obrigatórios com saúde e educação”. Daí a necessidade de “desvincular as receitas”.

Na visão distorcida deles, o governo estaria promovendo uma “gastança social” e programas como Minha Casa Minha Visa, Prouni, Fies, Bolsa Família etc. precisariam ser revistos. Por isso, o nosso grande estadista do 1% dos votos, nosso candidato a presidente biônico, já fala em “sacrifícios” que teremos de fazer. O nosso grande estadista, muito leal, muito leal à visão neoliberal do mundo, acredita que a volta das políticas do Estado mínimo, das privatizações, da abertura incondicional da economia, do arrocho contra os trabalhadores, que fracassaram miseravelmente no passado, agora vão nos fazer “superar a crise”.

É uma ideia totalmente descabida, é claro. Agora, mais descabido ainda é achar que a dupla Cunha/Temer tem condições de dar legitimidade a essa grande farsa política e jurídica. Mais descabido ainda é achar que tal dupla tem condições de assegurar a difícil governabilidade do Brasil em tempos de crise.

Não há a menor condição disso acontecer. Além da dupla biônica Cunha/Temer não ter nenhuma credibilidade e legitimidade, o programa socialmente regressivo apregoado pelo estadista do 1% levará, se implantado, a uma insurgência popular de proporções épicas.

Todo esse processo do golpe está ocasionando um fenômeno bastante auspicioso: a rearticulação das forças democráticas e progressistas, que antes estavam desarticuladas e desmotivadas. Enquanto as manifestações pelo golpe diminuem sensivelmente, dado o óbvio e desavergonhado resultado da república dos “fichas-sujas”, as manifestações contra o golpe e pela manutenção dos direitos sociais trabalhistas aumentam em número. Enquanto os políticos da oposição golpista vêm seus índices de popularidade despencarem, Lula aumenta os seus, apesar de toda a campanha diuturna da mídia golpista contra ele.

Assim, a triste noite do dia 17 de abril foi apenas uma batalha das muitas que estão por vir.

Afinal, o que está em jogo aqui é mais do que o destino de uma presidenta, de um governo, ou mesmo de um projeto social e político.

O que está em jogo aqui é o próprio processo civilizatório. Os governos do PT, seguindo a trilha deixada pela Constituição de 1988, implantaram um processo econômico, social e político tipicamente socialdemocrata. Lula foi, na realidade, o grande líder socialdemocrata do início deste século.

Lula, Dilma, o PT e os seus aliados históricos iniciaram um processo para transformar nosso vergonhoso capitalismo selvagem num capitalismo minimamente civilizado e inclusivo. Um processo exitoso que nos deu muito prestígio internacional. Com ele, começamos a nos livrar de nossa fundamental corrupção: a miséria e a desigualdade.

Bastou, no entanto, a crise mundial nos atingir para que nossa elite econômica e política passasse a apostar de novo num processo de desenvolvimento concentrador e excludente. Querem a volta, em essência, do “milagre econômico” da ditadura, muito apropriado ao plano do golpe contra a democracia. Querem de volta seu capitalismo selvagem. Querem de volta seus privilégios. Querem de volta a desigualdade. Querem de volta a exclusão. Querem de volta até a mesmo a impunidade. Até mesmo a impunidade para reprimir o povo e arrochar o trabalhador.

Em nome de “Deus e da família” golpeiam democracia, o processo civilizatório e nos enchem de vergonha aos olhos do mundo.

Em nome de “Deus e da família”, querem de volta, em suma, a nossa barbárie histórica. Nossa diabólica desigualdade.

Mas esse retrocesso à barbárie não tem nenhum futuro. Mais cedo ou mais tarde, será derrotado. O Brasil só sairá da crise com um grande pacto que contemple os interesses de todos, inclusive os dos trabalhadores e os dos que são beneficiados pelas corretas políticas de inclusão. Fora disso, não há salvação; há barbárie.

O cínico, baixo e machista “tchau querida”, será logo substituído pelo “fora fichas-sujas”. Pelo fora Cunha e pelo fora Temer. Não demorará muito para que a palavra de ordem seja “fora golpistas”.

Assim, os golpistas não têm nada a comemorar. A triste noite do “tchau querida” dará a lugar a um dia luminoso, no qual não haverá mais lugar para corruptos, hipócritas, cínicos e, sobretudo, para golpistas. O cínico “olá golpistas” do dia 17 terá vida curta.

Irá, merecidamente, para a lata de lixo da História.

 

* Marcelo Zero é sociólogo, especialista em Relações Internacionais e membro do Grupo de Reflexão sobre Relações Internacionais (GR-RI).


    whatsapp  

Últimas Artigos

Um golpe dentro do golpe

Adilson Araújo

Reforma da Previdência interessa ao sistema financeiro

Augusto Vasconcelos

A nova narrativa do governo para aprovar a reforma da Previdência

Antônio Augusto de Queiroz
Ver todas os artigos

Enquete

Qual a pior proposta do Temer?


Resultado

Charges

Temer acelera desmonte dos bancos públicos Postada 11 de Outubro de 2017 Charge do Sindicato dos Bancrios de So Paulo Ver todas as charges

Facebook



Rua Democrata,18, 1º andar, Dois de Julho - Salvador -Bahia. CEP. 40060-107.
© Copyright CtbBahia - Todos os direitos reservados - imprensa@ctbbahia.org.br
Tel (71) 3012-5390